Ligue 180 vai atualizar dados disponíveis sobre a rede de atendimento à mulher

By

Iniciativa é uma parceria entre a Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres e a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos. Atendentes foram capacitadas e passarão a coletar indicadores básicos, com o intuito de difundir informações e aprimorar o serviço

Com a proposta de difundir informações e aprimorar o acolhimento às vítimas de violência, o Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher) realizou oficinas com as atendentes, nestas terça e quarta-feira (24 e 25), em Brasília (DF). Uma iniciativa do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), por meio da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM), a ação capacitou as colaboradoras para coletar indicadores básicos de órgãos como as Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAMs).

Além das DEAMs, serão atualizados os dados cadastrais das Varas e Juizados Especiais de Violência Doméstica e Familiar, Casas-Abrigos, Casas de Curta Duração, Centros de Referência/Especializado de Atendimento à Mulher (CRAM/CEAM), Casas da Mulher Brasileira, Núcleos Especializados de Atendimento às Mulheres vítimas de violência do Ministério Público e da Defensoria Pública.

Titular da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM/MMFDH), Cristiane Britto destaca que as atualizações ocorrerão por meio de formulários eletrônicos. De acordo com as especificidades, serão coletadas informações como o tipo e nome do serviço, órgão ao qual é vinculado, endereço, telefone, e-mail, dia e horário de atendimento, violências que são atendidas.

“O processo de atualização tem previsão de ser concluído em janeiro de 2022. Essa é uma ação muito importante para que possamos melhorar o atendimento e acolhimento dos usuários do Ligue 180. A iniciativa faz parte do Plano Nacional de Enfrentamento ao Feminicídio, que será lançado em breve”, afirma a secretária.

Para o ouvidor nacional de direitos humanos, Fernando César Ferreira, a iniciativa irá aprimorar as políticas públicas de combate a violações. “Estamos em constante avaliação dos nossos atendimentos para, cada vez mais, entregar um serviço de excelência aos cidadãos. Essa foi apenas mais uma capacitação que irá contribuir significativamente para o enfrentamento à violência contra a mulher, já que será possível traçar estratégias de proteção dos direitos humanos com base em evidências”.

Ligue 180

Implementado pelo MMFDH, o Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher) pode ser acionado por meio de ligação gratuita, aplicativo Direitos Humanos Brasil, site da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), Telegram e WhatsApp (61) 99656-5008.

Apenas de janeiro a agosto deste ano, mais de 40,2 mil denúncias de violência doméstica e familiar contra a mulher foram registradas pelo Ligue 180. Outras violações somaram mais de 10,1 mil casos no período.

Legenda da foto: Oficinas foram realizadas nestas terça e quarta-feira (24 e 25), em Brasília-DF (Foto: Divulgação)

Confira os serviços oferecidos pelo canal de denúncias.

Para dúvidas e mais informações:
gab.snpm@mdh.gov.br

Você pode querer ler

Mais quentes