Impacto do aumento do IOF já deve aparecer na próxima fatura do cartão

By

Entrou em vigor na última segunda-feira (20) o aumento da alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e já deve elevar os custos finais das transações internacionais feitas por cartão de crédito que serão faturadas nos próximos dias.

Desta forma, a próxima fatura do cartão de crédito do brasileiro já deve vir com a nova cobrança que eleva em 36% o valor do IOF.

Para as pessoas físicas a alíquota passa de 3% ao ano (diária de 0,0082%) para 4,08% ao ano (diária de 0,01118%). Já para as pessoas jurídicas, a alíquota anual passa de 1,5% (atual alíquota diária de 0,0041%) para 2,04% (diária de 0,00559%).

Esse novo percentual será cobrado até 31 de dezembro de 2021 e incidirá sobre operações de crédito, câmbio e seguro ou relativas a títulos e valores mobiliários. O objetivo do governo é custear o Auxílio Brasil, programa que deve substituir o Bolsa Família.

“O consumidor tem que tomar cuidado também porque haverá cobrança de IOF se ele não conseguir pagar o cartão de crédito integralmente. Nesse caso, incide o imposto sobre todo o valor que ficou faltando da fatura”, revela Sandro Ribeiro, advogado tributarista.

O IOF é um imposto cobrado pelo governo em alguns tipos de transações financeiras. Ele é composto por duas alíquotas diferentes: a diária e a fixa que incidem sobre operações de crédito, câmbio (compra e na venda de moeda estrangeira, como o dólar), de seguro realizadas por seguradoras, relativas a títulos ou valores mobiliários e também em operações com ouro.

O consumidor precisa ficar atento!
Por mais difícil que esteja a situação do consumidor, ele precisa aprender a lidar com o dinheiro de uma forma racional para que ele não fique refém de financiamentos e juros que corroem o seu poder de compras.

Diante disso, ele pode fazer algumas mudanças que permitem evitar taxas extras:

Avaliar os custos operacionais da manutenção de contas bancárias tradicionais e migrar para bancos digitais. Essa simples mudança pode representar uma economia de até R$ 1.000 em um ano;

Avaliar os benefícios inclusos no cartão de crédito atual e o valor cobrado de anuidade. Se a conta for negativa, é importante considerar a migração para as novas bandeiras isentas e digitais, como o cartão Bradesco Neo, do Banco Inter e do roxinho do Nubank;
O consumidor precisa ainda calcular seus gastos mensais no mercado e tentar consolidar suas compras em menos datas e de forma mais estratégica;

Fugir das armadilhas das vendas por impulso e promoções imperdíveis online. Para isso, ele pode até colocar o produto no carrinho, mas aguarda por um ou dois dias e avaliar se o item é mesmo essencial.

Foto: https://pixabay.com/photos/calculator-hand-calculate-to-count-428294/

Você pode querer ler

Mais quentes