TJMG: Programa Novos Rumos recebe equipe do CNMP

By

No encontro, foram apresentados os três segmentos de atuação em MG

Integrantes da coordenação das três vertentes de atuação do Programa Novos Rumos – voltadas às Associações de Proteção e Assistências aos Condenados (Apacs), ao Programa de Atenção Integral ao Paciente Judiciário (PAI-PJ) e ao Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e das Medidas Socieducativas (GMF) – reuniram-se nesta sexta-feira (8/10) com integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). O intuito foi apresentar ao grupo as iniciativas do Tribunal de Justiça de Minas Gerais na área de execução penal.

Recepcionaram a comitiva o desembargador Antônio Armando dos Anjos, coordenador geral, e o coordenador executivo do segmento Apac, juiz Luiz Carlos Rezende e Santos; o coordenador executivo do PAI-PJ, juiz Luís Fernando Nigro Corrêa; o coordenador do GMF, juiz Evaldo Elias Penna Gavazza.

Estiveram presentes o conselheiro Marcelo Weitzel, ex-procurador-geral de justiça da Justiça Militar; Eunice Carvalhido, membro auxiliar do CNMP e ex-procuradora-geral de justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT); Cláudia Braga Tomelin, promotora de justiça (MPDFT) e membro auxiliar do CNMP; Jaime de Cássio Miranda, secretário-geral do CNMP e ex-procurador-geral de justiça da Justiça Militar; os promotores de justiça Selma Leão Godoy (Procuradoria-Geral de Justiça do MPDFT); Paloma Storino, coordenadora do Núcleo de Execuções Penais do MPMG Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais, de Execução Penal, do Tribunal do Júri e da Auditoria Militar; Fernanda Balbinot (MPGO), membro auxiliar da Presidência do CNMP; e Emmanuel Levenhagen, assessor especial do procurador-geral de justiça de Minas, Jarbas Soares Júnior.

O grupo falou sobre as Apacs, que oferecem índices menores de reincidência criminal (em torno de 15%), com custo bem inferior ao sistema prisional comum (R﹩ 20 mil por vaga, contra R﹩ 80 mil). Minas conta, atualmente, com 46 unidades em funcionamento, que abrigam aproximadamente 5 mil recuperandos.

Outros temas discutidos foram a especificidade da área de execução penal e a necessidade da humanização; capacitações para pessoas em cumprimento de pena; as audiências de custódia; a fiscalização regular de estabelecimentos prisionais, a superlotação carcerária e a alternativa do monitoramento eletrônico, entre outros.

Troca de experiências

O desembargador Antônio Armando dos Anjos, coordenador geral das Apacs no TJMG, destacou sua satisfação com a visita, que permitiu a apresentação, a colegas do Ministério Público de Minas e de outros estados e do CNMP, de um modelo já bastante consolidado, que vem alcançando consistentemente resultados exitosos, e permite a reconstrução de vidas com a responsabilização e o comprometimento, dando oportunidades para quem quer encontrar novos caminhos. O magistrado afirmou que a metodologia, que floresceu em Minas, já se mostrou um meio de promover a justiça, a paz social e a dignidade humana.

Magistrados e membros do CNMP discutiram sobre vantagens do sistema Apac e questões prisionais (Foto: Riva Moreira/TJMG)

O coordenador executivo, juiz Luiz Carlos Rezende e Santos, disse que todos ficam honrados com a presença do Conselho Nacional do Ministério Público. “Nossos colegas vieram trazer um pouco de suas observações quanto ao sistema prisional no país e conhecer um pouco das práticas desenvolvidas aqui no Estado. Ficamos orgulhosos também com o aceite do conselheiro Marcelo Weitzel, que, brevemente, participará da abertura de um evento em que reuniremos os juízes de todas as nossas Apacs. Ele proferirá a palestra magna”, antecipou.

O juiz coordenador do PAI-PJ, Luís Fernando Nigro, salientou que a possibilidade de profissionais do Direito de diferentes órgãos, e que atuam em realidades distintas, compartilharem suas visões é fonte de aprimoramento mútuo. “O encontro foi muito importante para nós. É sempre relevante poder trocar ideias sobre temas relativos à execução criminal; isso sempre enriquece o nosso Programa Novos Rumos”, disse.

Para o juiz Evaldo Gavazza, coordenador do GMF, a interação entre o Judiciário e CNMP é valiosa para todos os envolvidos. “A troca de experiências é fundamental para construirmos um sistema prisional diferenciado, mais humanizado e justo, cumprindo efetivamente aquilo que a Lei de Execução Penal exige. O sistema prisional cuida de pessoas privadas de liberdade, e a oitiva de outros atores é vital para que ele seja aperfeiçoado. A proposta democrática da Presidência do TJMG, através do GMF, é a escuta e a recepção de ideias de outros segmentos, órgãos e instituições, para melhoria do sistema de justiça criminal e de execução penal”, enfatiza.

Assessoria de Comunicação Institucional – Ascom
Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG

Legenda da foto em destaque: Encontro possibilitou troca de experiências e aprofundamento quanto ao modelo Apac (Foto: Riva Moreira/TJMG)

Você pode querer ler

Mais quentes