E seremos normais outra vez?

By

Por Kênia Nepomuceno

Psicologa

O termo normalidade pode nos colocar em uma posição de conforto, comodismo e não mudança. Quando pensamos na normalidade, pensamos em semelhanças. E quais seriam as semelhanças que nos esperam daqui para frente?

O tema pandemia não tem como ser reduzido do nosso vocabulário, somos afetados diretamente por suas reações, reações de medo, incerteza, distanciamento, máscaras, higienização e tantas outras. “Tudo novo, dentro do que já fazíamos habitualmente”! A pandemia nos fez parar, repensar e agir diferente, o que reflete diretamente em nossa saúde mental, com a permanência em nossas casas, hábitos foram revistos, visando o que é realmente necessário ao nosso dia a dia. Iniciamos um estado de alerta, higienizamos mais os objetos e nós mesmos, modificamos muito nossa forma de agir, por isso não seremos mais os mesmos, fomos marcados, transformados, costumes como abraçar, beijar, apertar as mãos foram trocados por sorrisos nos olhares, ou mesmo outra forma de demonstrar afeto.

Esse conjunto de acontecimentos, pede reflexão, analise o quanto já mudamos e ainda precisamos mudar, principalmente por imaginar que a humanidade pede pelo desacelerar, para priorizar o que é essencial. E você acredita que ainda seremos normais? Felizmente não, por mais que aprendamos com dor, o ensinamento é real, não seremos mais os mesmos.

Pare, pense, e identifique quais hábitos ainda precisam ser transformados? Coloque como prioridade sua saúde física e mental, regularize suas essencialidades, valorize os sorrisos verdadeiros, transmita esperança. Espere pele novo e seja o novo que precisamos para criamos o novo que desejamos.

Imagem: Pxhere

Você pode querer ler

Mais quentes