Escolas trabalham inserção social com alunos estrangeiros

By

Por Júlio César Santos*

Duas escolas de Contagem perceberam o alto índice de imigrantes no município e resolveram abraçar os novos moradores dando-lhes a oportunidade de aprender a língua pátria brasileira, o português. As Escolas Municipais Maria Silva Lucas e Isabel Nascimento de Mattos, das regionais Ressaca e Petrolândia respectivamente, trabalham com o projeto “Escola sem Fronteiras” e questões afros com base na inserção social de imigrantes na cidade. Garantindo a eles os direitos básicos escritos na Constituição Federal de 1988, como o direito à vida, liberdade e igualdade. Contagem também possui leis municipais que fazem o combate à xenofobia, racismo, intolerância religiosa e a opção sexual.

É com base no que a lei explica, estudantes haitianos e de outras nacionalidades estão fazendo o curso de Português como Língua Estrangeira (PLE), nas duas escolas contagenses. Professores capacitados dão um curso intensivo de seis meses para o turno da noite. A estimativa é de que 2.000 haitianos residam na cidade. “Hoje o imigrante que queira aprender o idioma brasileiro ele não precisa de retirar documentos ou passar por algum entrave burocrático. A Lei de Diretrizes e Bases garante ao imigrante tornar-se um estudante”, afirma a formadora da secretaria Municipal de Educação, Edirléia Pádua Batista6 Leite.

Ao todo, 50 estudantes de nacionalidade haitiana estão participando das aulas de PLE. Após a conclusão do curso, os alunos são convidados a fazerem a prova de certificação. Tendo conseguido bom resultado, o estudante estará apto a ingressar ao curso de Educação de Jovens e Adultos (EJA), para assim tirarem o seu diploma de ensino fundamental e médio.

Para o estudante haitiano, Maxime Morisset, as aulas de português foram essenciais para o desenvolvimento profissional dele aqui no Brasil. “Graças ao PLE eu pude aprender o português e isso facilitou a minha profissão de Tecnologia da Informação com o qual trabalho”.

*Coordenador do Núcleo de Comunicação da Seduc

Fotos: Ricardo Lima

Você pode querer ler

Mais quentes