LUZ, CÂMERA, AÇÃO…

By

Por Ailson Leite
Historiador

“Não há lugar como o nosso lar.”

A frase icônica do cinema mundial, reproduzida por Dorothy em “O Magico de Oz” (1939), parece que vem junto conosco, quando tratamos o sentimento de pertencimento da cultura de Contagem.

A história do cinema mundial, tem inicio em Paris, com uma exibição da saída dos trabalhadores da fábrica Lumière(1895), no Brasil, um ano depois, na cidade do Rio de Janeiro, já estávamos tomados pelo cinema, já em Contagem, lá pelos idos de 1886, chegava o teatro, com a construção daquele que viria ser o nosso Cine teatro.

O cine teatro foi construído em regime de mutirão no século XIX, construção essa que foi demolida, dando lugar ao prédio que conhecemos hoje, que vem tomado pelo abandono do poder público. Tombado pelo decreto 10.806, de 31 de maio de 2001, fechado desde 2009, o cine teatro de Contagem é mais um monumento da cidade que clama por socorro.

Me lembro com uma nostalgia gostosa, das tardes de sábado dos anos 1980, quando íamos nas matinês de sábado, assistir aos filmes do festival Trinity e Spectreman, no “nosso cinema”, que hoje, está fechado, abandonado e com tapumes nas portas.

Quando observamos a resistência de diretores como a do amigo André Novais, que retrata a cidade de Contagem em seus premiados filmes, como: “Contagem” (Filmes de plástico/2010), “Ela volta na quinta” (Filmes de plástico/2015) e “Temporada” (Filmes de plástico/2018). Que presenciei a paixão que tinha por cinema, ainda na faculdade de história do UNIBH, sabemos que a cultura, da nossa cidade só tem a ganhar com a manutenção e ocupação desses locais, que são instrumentos públicos do bem comum.

A cultura de Contagem sempre foi riquíssima, e o teatro e o cinema com toda a certeza contribuíram muito para tal riqueza, como venho dizendo a algumas edições, é necessário que o nosso povo, questione o poder público e venha conosco, cobrar ações para que o nosso patrimônio não se perca, precisamos de políticas públicas que, favoreçam a nossa arte, que dê valor aos nossos artistas, que mantenha o nosso patrimônio cultural de pé e em pleno funcionamento. Cola com a gente!

Você pode querer ler

Mais quentes